OS QUE MAIS GOSTO, DE 2007

nem sempre há versos à tona


deita-te nas entrelinhas, a arte
do abandono não é ensinada
e nem sempre há versos à tona

quebrada a realidade do poema,
trabalha nas aparentes ruínas

elas provocam sensações
que contam histórias


sonia regina

4 comentários:

Adair Carvalhais Júnior disse...

Olá,
dê uma olhada em
http://ventosdesencontrados.blogspot.com/

um abraço

sonia regina [soreg] disse...

olá!
olhei, já. Obrigada.

outro abraço

fred disse...

Muito bom, Sonia.
Este e os outros.
É sempre bom ler a sua poesia.

sonia regina [soreg] disse...

Obrigada, Fred. Como disse lá no teu blog, com este aqui (pousio) eu pretendia somente albergar poemas especificamente de épocas de restauração. Talvez vá deixando de ser assim.

bjs